Português

Eu sou apenas uma das muitas vozes da minha geração.
Nadamos numa constante onda de informação mas não nos afogamos; a democratização do conhecimento pode e será usada a nosso favor.

Conseguem ouvir as nossas vozes?

Somos as mulheres, xs jovens, xs precárixs, xs pobres, o outro; estamos acordadxs, e estamos enraivecidxs. A nossa criatividade não será oprimida nem confundida
com uma infantilidade transitória. As nossas ideias não serão esmagadas pela vossa visão estática e retorcida da realidade.

Estamos conscientes. Estamos cientes. Estamos acordadxs.

Palavras constroem e destroem, moldam e são moldadas pela nossa percepção do mundo. Palavras são o reflexo consciente ou inconsciente da nossa própria consciência,
a manifestação palpável das nossas ideias. Palavras aproximam pessoas. Palavras podem empoderar-nos.

A imaginação importa. A arte importa. As palavras importam.

É tempo de abandonar a neutralidade que nos foi imposta sob o falso véu da boa educação. Não temos maneiras. Somos as bestas que nos fizeram ser.
Xs perigosxs, xs confusxs, xs paranoicxs, as vítimas, as santas, xs pecadorxs, xs neuróticxs, todas as representações eróticas e fantasias de Édipo, as galáxias negras da vossa fraca imaginação heteronormativa guiada pelo capital.

Nós somos o outro.

Existência é resistência quando desafiamos o status quo.

As nossas vozes serão ouvidas. O torpor da paz e subjugação há muito que terminou.
Vamos reclamar o nosso espaço. Vamos reclamar o nosso lugar.

Seremos visíveis.

Seremos inteiramente, completamente, e sem desculpas.
Têm razão, a revolução está nas nossas cabeças.
Vamos exibi-la abertamente.
E vocês vão ouvir.

PORTUGUESE
PDF Download
Advertisements